Matadouros dos Estados Unidos estão perdendo a guerra contra a Covid-19 – Portal DBO

Observação nossa: a Covid-19 iniciou em mercado da China onde os animais eram abatidos na hora, em frente ao consumidor, espalhando sangue em volta. O sangue dos animais pode ser excelente meio de cultura para o coronavírus.

“Grande número de funcionários contaminados leva ao fechamento de unidades, deixando muitos fazendeiros sem lugar para abater seus animais

Um número relativamente pequeno de fábricas processa grande parte da carne bovina e suína produzida nos Estados Unidos, e algumas delas fecharam as portas porque os trabalhadores estão ficando doentes da Covid-19, relata matéria divulgada sábado, 18 de abril, pelo New York Times (NYT).Muitas são linhas de montagem refrigeradas gigantescas e equipadas, tocadas, principalmente, por trabalhadores sindicalizados que cortam, desossam e “reconstroem” carcaças de bovinos e suínos , sob constante supervisão dos inspetores do governo.

Os empregos costumam ser cansativos e, às vezes, perigosos, mas os produtores de carne de boi e porco se gabam de ter alguns dos espaços de trabalho mais higienizados de qualquer setor.

No entanto, as fábricas de carne, aperfeiçoadas ao longo de décadas para obter o máximo de eficiência e lucro, tornaram-se os principais pontos críticos da pandemia de coronavírus, com alguns relatos de doenças generalizadas entre trabalhadores. A crise da saúde revelou como essas plantas estão se tornando o elo mais fraco da cadeia de suprimento de alimentos dos EUA, colocando um sério desafio à produção de carne.

Após décadas de consolidação, existem cerca de 800 matadouros inspecionados pelo governo federal nos Estados Unidos, processando bilhões de libras de carne para lojas de alimentos a cada ano. Mas um número relativamente pequeno deles é responsável pela grande maioria da produção. Na indústria pecuária, pouco mais de 50 plantas são responsáveis ​​por até 98% do abate e processamento nos Estados Unidos, de acordo com Cassandra Fish, analista de carne bovina.

Fechar uma planta de carne, mesmo por algumas semanas, é como fechar um aeroporto. Com a fábrica parada, os preços pagos aos produtores desabam e, eventualmente, leva a meses de escassez de carne. “Os matadouros são um gargalo crítico no sistema”, disse Julie Niederhoff, professora associada de gerenciamento da cadeia de suprimentos da Universidade de Syracuse. “Quando eles caem, estamos com problemas.”

Os efeitos cascata do vírus agora estão sendo sentidos em toda a cadeia de suprimentos de carne, chegando até nos freezers dos supermercados. Mais de uma dúzia de fábricas de carne bovina, suína e de frango nos EUA fecharam ou estão operando em velocidades bastante reduzidas devido à pandemia. Na semana passada, o número de bovinos abatidos caiu quase 22% em relação ao mesmo período do ano anterior, enquanto o abate de suínos recuou 6%, segundo o Departamento de Agricultura (USDA). O declínio é parcialmente causado pelo fechamento de restaurantes e hotéis, mas a paralisação de fábricas também causou uma grande perturbação, deixando muitos fazendeiros sem lugar para enviar os seus animais.

Mesmo quando um importante executivo de carne alertou na Páscoa que o país estava “perigosamente próximo” de uma escassez de carne, os órgãos reguladores estaduais e federais enviaram sinais mistos à indústria sobre como lidar com a crise. Em Dakota do Sul, a governadora Kristi Noem solicitou publicamente que a Smithfield Foods fechasse a sua enorme instalação de suínos em Sioux Falls depois de testes revelarem que a planta era responsável por quase metade dos casos de coronavírus na cidade e no município vizinho. Mas as autoridades federais pediam repetidamente à empresa e a outros produtores de carne que encontrassem maneiras de manter as suas plantas funcionando por causa de sua importância para o suprimento de alimentos.

Na quinta-feira, os testes revelaram que a fábrica de suínos da Smithfield Foods era o maior “ponto crítico” do país, com cerca de 16% dos 3.700 funcionários com resultados positivos para o vírus mortal. A taxa de hospitalização entre os trabalhadores tem sido relativamente baixa porque eles tendem a ser mais jovens, disse David Basel, vice-presidente do Avera Medical Group em Sioux Falls, que esteve envolvido nos testes dos funcionários de Smithfield. Basel elogiou Smithfield por incentivar seus funcionários (muitos dos quais são refugiados e imigrantes da América Latina e Ásia e falam 80 dialetos diferentes) a serem testados. “A situação está melhorando após o fechamento da fábrica”, disse Basel.

Na quinta-feira, funcionários dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças visitaram a fábrica da Smithfield em Sioux Falls, uma instalação de oito andares, que produz 5% da carne suína do país. Antes da fábrica fechar na semana passada, a empresa havia fornecido aos funcionários máscaras e também instalou barreiras de acrílico em determinadas áreas para separar os funcionários. Mas, na realidade, pode ser difícil para qualquer fábrica de carne acomodar o distanciamento social e permanecer tão lucrativa. “Não será fácil separar os trabalhadores pela distância de 1,8 metro”, disse William Schaffner, professor de doenças infecciosas da escola de medicina da Universidade Vanderbilt. “Se você separar as pessoas, reduz a produtividade”, acrescenta.

Funcionários da indústria de carne também argumentaram que a decisão de Dakota do Sul de não emitir um pedido de permanência em casa (quarentena) pode estar contribuindo para o surto, porque deixou parentes e vizinhos de funcionários da fábrica livres para se misturar. As autoridades de Dakota do Sul disseram que os residentes devem exercer “responsabilidade pessoal” e praticar o distanciamento social. “É uma taxa muito, muito alta”, disse Schaffner sobre as infecções na fábrica de Smithfield. “Mas é difícil saber quanto da transmissão ocorreu no local de trabalho ou na comunidade”, observa.

Algumas empresas de carnes expressaram relutância em testar os trabalhadores, dizendo que esses testes direcionados criam a falsa impressão de que os frigoríficos são os principais culpados pela disseminação do vírus. Quanto mais agressivamente os funcionários são testados, mais casos surgem, pressionando as fábricas a desligar. “Todo mundo quer testar os funcionários do frigorífico, mas ninguém está testando as comunidades ao seu redor para mostrar qual é a linha de base”, disse Steve Stouffer, presidente da divisão de carnes frescas da Tyson Foods. “E até conhecermos as linhas de base, minha pergunta sempre foi: somos a causa ou somos apenas vítimas de nossos arredores?”, indagou.

Em alguns lugares em que a Tyson opera, disse Stouffer, a empresa enfrentou pressão para “desligar a todo custo”. “É muito frustrante”, disse ele, acrescentando: “Já fomos julgados e condenados em determinados espaços”.

Outra grande empresa de frigoríficos, a JBS USA, mudou de ideia sobre testes em larga escala em um único fim de semana. Em 10 de abril, a JBS anunciou que havia trabalhado com o governador Jared Polis e outros funcionários do Colorado para obter milhares de kits de teste de coronavírus para a sua força de trabalho em uma instalação de produção de carne bovina em Greeley, onde houve um aumento de casos da doença. Mas depois que começou a testar no dia seguinte, a empresa mudou de rumo, dizendo que não administraria os testes e, em vez disso, fecharia a fábrica até 24 de abril para que os funcionários entrassem em quarentena.

A empresa reconheceu o “potencial impacto positivo do fechamento temporário na saúde pública”, disse Cameron Bruett, porta-voz da JBS. Na quarta-feira, funcionários do Colorado informaram que quatro trabalhadores da fábrica da JBS morreram do vírus.

Um grande número de funcionários foi infectado em outras empresas onde as pessoas trabalham juntas, como supermercados e armazéns de comércio eletrônico. Mas a pandemia causou perturbações mais sérias na indústria de carnes, onde décadas de consolidação deram grande importância a um número relativamente pequeno de plantas.

Nas décadas de 1980 e 1990, empresas como a Smithfield, agora controlada por uma empresa chinesa de suínos, compraram concorrentes e projetaram plantas maciças que poderiam abater mais de um milhão de animais por ano. Ao mesmo tempo, o empacotamento de carne ficou mais concentrado em alguns estados em que a ração animal é produzida, como Iowa e Dakota do Sul.

Na indústria suína, a porção de suínos abatidos em plantas que podiam processar mais de um milhão por ano aumentou para 88% em 1997, ante 38% em 1977, de acordo com o USDA. Uma planta maior significou mais lucros no investimento inicial.

Nos últimos anos, críticos da indústria de carnes culparam a rápida consolidação pela disseminação de doenças animais como a gripe aviária, bem como o surgimento de práticas nocivas ao meio ambiente, como a agricultura industrial. A pandemia reacendeu essas preocupações de longa data. “Quando você atinge esse tipo de tamanho, aumenta o risco”, disse Ben Lilliston, que ajuda a administrar o Instituto de Agricultura e Política Comercial, um grupo de defesa de fazendas. “Quando algo dá errado em uma planta muito grande como essa, você tem um problema muito grande. Estes são sistemas vulneráveis”, acrescentou.

Fonte: Texto publicado no New York Times e adaptado por Denis Cardoso, repórter DBO

Fonte: Matadouros dos Estados Unidos estão perdendo a guerra contra a Covid-19 – Portal DBO